Grafologia

            É uma ciência que permite conhecer vários aspectos da personalidade de um indivíduo, manifestados, a nível inconsciente, através da escrita e da assinatura.

É um instrumento de auxílio ao recrutamento e seleção de recursos humanos, na atualidade, em nosso país.

A classificação dos gestos baseia-se nos seis gêneros gráficos:

*Gestos que participam da distribuição da página – ordem;

*Gestos de expansão na folha do papel – tamanho ou dimensão;

*Gestos de orientação espacial – direção e inclinação;

*Gestos de união das letras – ligação e continuidade;

*Gestos de rapidez na escrita – velocidade;

*Gestos que moldam as letras -forma.

Algumas espécies são chamadas de qualitativas, pois assinalam qualidades essenciais, fáceis e necessariamente observadas: escritas rápidas, lentas, pausada etc.

Firma

(Assinatura) – Palavra que tem origem no Latim e significa tornar verdadeiro tudo que foi escrito anteriormente. Portanto, cada vez que assinamos, estamos dizendo:  – Isto é verdade, este sou eu.

 

Rosa dos ventos

Os estudos das teorias de Pulver levaram a brilhante grafóloga francesa Saint-Morand a criar a Rosa-Dos-Ventos, um esquema espacial que simplifica as teorias do grafólogo suíço.

A direção na Rosa-Dos-Ventos determina uma série de características psicológicas importantes:

O esquema simplifica a vida do grafólogo.  Para onde se dirige o traço, indica a característica da personalidade de quem o escreveu.

  • Nordeste – Orgulho, rebeldia, agressão, revolta, indisciplina, discussão, reivindicação, contradição, oposição, insubmissão, independência.

  • Sudeste – Materialismo, obstinação, interesses materiais, afirmação, resistência.

  •  Sudoeste  – Atitudes defensivas, egoístas, passividade instintiva.

  • Noroeste – Nostalgia, angústia, economia, contração, regressão, solidão, apreensão, defensividade, medo, especulação.

O gesto gráfico, quando se dirige para todas as direções, indicam conflitos, indecisão, dúvidas, etc.

A divisão tripartite da escrita que possui íntima correspondência com a natureza do homem, é considerada pelos sábios como uma trindade do espírito, corpo e mente, e nos leva a outras interessantes conclusões:

  1. Zona superior – É a esfera das idéias, imaginação, razão, consciência, intelecto, aspirações individuais, idealismo, projetos utópicos e misticismo. Deus, anjos, impulsos divinos, céus. Eleva-se socialmente e está por cima, no topo, alto.

  1. Zona média –Esfera da auto-estima, emotivo-sentimental, sentido comum, comportamento social e adaptação  à realidade. Vida cotidiana. Ego.

  1. Zona inferior – Esfera física, sentido prático das coisas, necessidades materiais, vida instintiva e inconsciente, necessidades sexuais, luxúria e atividades corporais. Profundezas, abismo, demônios. Os tesouros ocultos encontram-se nas profundezas do mar. Estar embaixo possui uma conotação negativa em nossa sociedade.

Principais conclusões para um laudo:

  1. Equilíbrio entre zonas – Uma personalidade equilibrada e em plena harmonia terá uma boa proporção entre três zonas.

Uma escrita proporcional demonstra prudência, descrição, sobriedade, sensatez, ausência de esnobismo e excentricidade, além de grande domínio das paixões.

  1. Predominância da zona superior – Quando esta zona é maior que as outras, a pessoa valoriza o lado espiritual e intelectual,, normalmente encontrada em escritores, religiosos e intelectuais.

O exagero mostra pessoas excêntricas e que vivem fora da realidade e com tendências a megalomania.

  1. Predominância da zona média – caracteriza pessoas realistas, é a letra típica de comerciantes e industriais. Exagerada é sinal de ego exacerbado. É a zona onde ocorrem os conflitos.

  1. Predominância da zona inferior – indica que o escritor possui grande energia física, materialismo, sexualidade, motricidade, impulso e instintos.

  1. Análise da dinâmica zonal – não deve ser deixada de lado, isto é, como uma zona pode influir nas demais, a predominância de uma ou duas, a hipertrofia, o equilíbrio ou o desequilíbrio entre elas.

 

Aspectos Gerais da Escrita

Legibilidade

            A pessoa que escreve com legibilidade está querendo ser compreendida. É um sinal de sinceridade (a ser confirmada com os demais sinais), porém carece de impulso e de expressão individual.

A legibilidade numa escrita, com bom espaçamento entre as palavras e as linhas, revelam a capacidade de falar com lucidez.  Já uma legibilidade exagerada, onde as palavras, perfeitamente claras, aparecem sublinhadas várias vezes, resulta de um desejo, quase paranóico, de clareza. Possivelmente carente de adaptação ou aceitação social.

A legibilidade é um sinal, a princípio, positivo em termos de forma.

Ilegibilidade

A princípio, um sinal ruim para a forma.

A pessoa que escreve de maneira ilegível não deseja ser entendida com facilidade e tem dificuldades em se comunicar com outras pessoas. É um sinal de postura arredia, obstinada ou  não adaptada.

Reforça a inferioridade, irritação, inquietude, desorganização e falta de disciplina.

Tamanho e Forma de Letra

Muito Pequena / Pata de Mosca

Características Gerais:

Modesto, cauteloso, avaro, tímido, exagerado, medroso, generoso, religioso, orgulhoso, inseguro, detalhista, observador, angustiado, capacidade para especialização, sentimento de inferioridade, dificuldade para auto-reconhecimento.

Pequena:  (A altura das letras é pequena)

Modesto, cauteloso, observador, meticuloso, preciso, intuitivo, tolerante, econômico, detalhista, religioso, analítico, respeitoso, bom potencial intelectual.

Aspecto negativo:

Tímido, indiscreto, mesquinho, desconfiado, auto-agressivo, medroso, masoquista, crítico, exagerado, subjetivo.

Baixa: (A letra é mais larga do que alta)

Características Gerais:

Acomodada, gosto pelo material, dissimulação, vulgar.

Média:

Características Gerais:

Autopercepção adequada, calmo, empreendedor, organizado, boa adaptação, impressionável, frio.

Grande:

Características Gerais:

Extrovertido, digno, loquaz, indiscreto, necessita chamar a atenção sobre si mesmo, sentimento de superioridade.

 

A Assinatura

Uma das primeiras palavras que as crianças aprendem a escrever é o seu próprio nome. A repetição da grafia do nome, numerosas vezes seguidas, cria um envolvimento emocional com ele, envolvimento este que não se romperá durante toda a vida.

Em conseqüência, embora a escrita da pessoa se altere com o desenvolvimento da personalidade, a sua assinatura se manterá próxima à forma original. É por esse motivo que na escrita da maioria das pessoas, a assinatura e o texto não correspondem estruturalmente.

Portanto, uma assinatura isolada de pouco valeria para uma análise, e nenhum grafólogo consciencioso se arriscaria a analisar a personalidade com base em uma assinatura isolada do texto.

Uma assinatura legível reflete sinceridade.

Uma assinatura ilegível reflete falta de sinceridade e tendências evasivas.

Uma assinatura que é ilegível por causa de sua estrutura complexa demonstra uma personalidade difícil e interessante.